• Adicione tópicos

Laqueadura: médico não responde por gravidez após procedimento

COAD
Publicado por COAD
há 6 anos

A 4ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça confirmou sentença da Comarca de Timbó que julgou improcedente o pedido de indenização por danos morais ajuizado por Rita Tilch Kannemberg contra o médico Eduardo Muller.

Segundo os autos, Rita foi submetida voluntariamente à cirurgia de laqueadura de trompas, após o nascimento de seu quinto filho. Passado alguns meses, a mulher descobriu estar grávida novamente pela sexta vez, fato que lhe causou desespero. Rita alegou que o médico agiu com negligência, acrescentando que, ante o avanço da medicina, não se pode mais considerar a laqueadura como procedimento de resultado incerto.

Em sua resposta, Eduardo afirmou que alertou a paciente sobre o risco de insucesso do procedimento. Alegou também que, muito embora haja realizado a intervenção cirúrgica adequadamente, ainda não existem métodos anticoncepcionais infalíveis. Inconformada com a decisão em 1º Grau, Rita apelou ao TJ. Sustentou que houve falha médica no procedimento, o que resultou numa gravidez indesejada.

(...) Nesses tipos de procedimento, o encargo assumido pelo médico consiste em obrigação de meio - não de resultado - exsurgindo o dever de indenizar apenas quando comprovada negligência, imprudência ou imperícia na intervenção médica realizada, o que, na hipótese, não ocorreu, afirmou o relator da matéria, desembargador Eládio Torret Rocha. A decisão da Câmara foi unânime.

Processo: Ap. Cív.

FONTE: TJ-SC

No Brasil, há mais de 45 anos, a marca COAD se consolidou como a maior referência 100% nacional de Orientações Confiáveis sobre temas de natureza fiscal, trabalhista e jurídica para Profissionais de Contabilidade, Tributaristas, Advogados e Gestores das áreas de Controladoria, RH e Departamento de Pessoal das Empresas.

0 Comentário

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)