jusbrasil.com.br
12 de Dezembro de 2018

Senado aprova cotas para negros em concursos públicos

COAD
Publicado por COAD
há 5 anos

Senado aprova cotas para negros em concursos pblicos

Os concursos públicos federais passarão a ter reserva de 20% das vagas para candidatos negros ou pardos pelos próximos dez anos. Um projeto de lei originário do Poder Executivo e já aprovado na Câmara foi aprovado sem alterações na última terça-feira (20/5), pelo Senado, e seguirá para sanção da presidenta Dilma Rousseff.

O texto estabelece que todos os concursos federais deverão prever cotas, inclusive dos órgãos da administração indireta, de autarquias, fundações e das empresas públicas. A matéria teve preferência de votação porque foi enviada em regime de urgência para o plenário, depois de ter sido aprovada na Comissão de Constituição e Justiça da Casa.

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, comemorou a aprovação das cotas e disse que a reserva de vagas para negros em concursos públicos é uma medida mais que justa, que vai ajudar a corrigir o histórico de exclusão da população negra no Brasil.

As cotas, como qualquer medida nesse sentido, é uma busca de nós corrigirmos uma realidade trágica no Brasil, que foi a marginalização e a exclusão dos afrodescendentes por séculos, avaliou. O ministro acrescentou que o Senado acaba de dar um grande passo que a Câmara tinha dado também, de reconhecimento da necessidade de tomar as medidas no Brasil que aos poucos vão reduzindo os processos de exclusão.

Pela proposta aprovada, terão direito a disputar as vagas reservadas os candidatos que se autodeclararem pretos ou pardos no ato da inscrição do concurso, conforme critérios adotados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Se for constatada que a declaração foi falsa, o candidato poderá ter a participação no concurso cancelada ou sua admissão em órgão público, anulada.

Senado aprova cotas para negros em concursos pblicos

FONTE: Agência Brasil

379 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Acabamos de perder a conexão com o capital humano. A pessoa humana não vale mais nada. Agora temos castas definidas, preconceitos expostos e racismo declarado. Bem vindos ao apartheid Brasil! continuar lendo

Perfeito Rafael! continuar lendo

Perfeito comentário mesmo. Decisões como essa já estão gerando uma divisão na sociedade. Todos os dias vê-se crianças com ódio racial.. continuar lendo

Sem mais nada a acrescentar. Excelente comentário! continuar lendo

Isso mesmo, se todos são iguais para que distinção de COR, tanta coisa para ser votada ..... bem disse o Raul "Pare o mundo que eu quero descer". continuar lendo

Você está mais do que certo, Rafael. Demos um gigantesco passo para trás em nossa já frágil democracia. Sou mulato (pardo é o cérebro de quem concebeu semelhante projeto!), de origem bem pobre, estudei em escolas públicas - incluindo a Universidade - e não precisei desse tipo de cota para ingressar no serviço público por concurso, onde me encontro há 19 anos com muito orgulho. Querer criar uma sociedade dividida em castas raciais no Brasil, que, desde a época de Gilberto Freyre, sempre foi louvado por sua miscigenação, é estabelecer um conflito racial que nunca houve aqui. Somos todos HUMANOS. A cor é apenas um detalhe. O serviço público já é discriminado, agora, com mais essa exceção ao princípio do mérito, aí é que a coisa vai degringolar de vez. continuar lendo

Até nos EUA tem cotas.... continuar lendo

Sempre houve cotas para negros em nossa sociedade, no trabalho braçal pesado, nas funções de menor status social. Como tudo estava no seu lugar, não havia indignação, até surgir uma oportunidade de inserir a "criadagem" no universo cinicamente reservado aos "fidalgos" através da história, aí estes clamam por igualdade, tendo estudado em bons colégios, feito cursinho e contado a vida inteira com o benefício da cor que, neste país, é U-LU-LAN-TE. Não se vê tanto clamor nem contra a corrupção que mata milhões nessa terra de hipócritas, mas quando é para beneficiar, por dez anos somente, quem levou esse país no lombo por séculos... Experimente se disfarçar de negro e, mesmo com um currículo impecável debaixo do braço, vá batalhar por um emprego de boa remuneração para ver até onde resiste a falácia (neste caso) da meritocracia. continuar lendo

Os EUA tem cotas e é um país de racismo declarado, onde existem verdadeiros guetos, onde branco não entra e bairros onde negro não entra. As cotas vão para os tiozinhos que limpam os banheiros e servem o café. Os demais, ficam em salas separadas, ou prédios separados ou CIDADES SEPARADAS ou ESTADOS SEPARADOS. continuar lendo

Um pouco de História...

1º - O branco não é e nunca buscou parâmetro de cor para fazer alguém de escravo. A briga sempre foi do mais forte contra o mais fraco. E sim, sempre existiu racismo, seja do negro contra o branco, do branco contra o negro, do índio contra o mameluco e etc. Os gregos escravizaram, os mouros escravizaram, os chineses escravizaram, os negros africanos escravizaram. Novamente, a briga sempre foi do mais forte contra o mais fraco.

2º - A palavra escravo, vem do eslavo, que remete aos povos (brancos) do leste europeu, que foram feitos escravos por povos mais fortes, incluindo os norte-africanos.

3º - Os próprios negros do norte da África não gostavam dos negros que se situavam mais ao sul. Eles achavam que por exercerem domínio de linguagem, matemática e tecnologia mais avançadas, eram superiores a qualquer outro co-irmão do sul.

4º - Na África não é essa miséria que pintam, tendo inclusive vários reis que governavam várias etnias. Os europeus quando aportaram na África, não sabiam como escravizar, logo, aprenderam com os líderes das tribos, que vendiam escravos capturados de tribos rivais (Nota-se mais uma vez a briga do mais forte contra o mais fraco). O aprendizado constituiu-se em olhar os dentes, os olhos, o porte e o condicionamento físico. A partir daí, compravam das mãos dos líderes tribais e carregavam consigo para a exploração do Novo Mundo.

5º - Existem pinturas de artistas, como as do austríaco Ludwig Deutsch, que retrataram bem o como várias tribos africanas eram prósperas, cheias de escravos e sem esse vitimismo fajuto que os doutrinados pelo "Méqui" vivem afirmando.

6º - Sim, muitos dos filhos dos reis africanos vinham para o Brasil estudar, se formar, tinham bons imóveis e andavam livremente pela sociedade.

7º - Zumbi, o herói da consciência negra no Brasil, teve escravo, assim também como vários outros negros que conseguiam sua liberdade, voltavam à África e voltavam como mercadores de escravos.

8º Infelizmente o grau atingido pelo politicamente correto é tão bizarro, que o povo absorveu que o branco é mau e o negro sempre vai ser o coitadinho, quando na verdade, existem vários negros na sociedade que são exemplos de como o esforço de cada um é válido.

Novamente eu repito: racismo sempre vai existir, muito pela ignorância do ser humano, tanto pela falta de amor ao próximo. Tanto negros, quanto brancos, merecem estar em pé de igualdade. Usar cotas em benefício de uma parte, é dar um chute no saco do povo brasileiro.

Posso falar algo? É pura medida eleitoral. continuar lendo

Pura verdade.
Adeus princípio da isonomia. continuar lendo

Disse tudo meu amigo. Foi extremamente feliz em sua colocação. continuar lendo

Garanto que DEUS PAI TODO PODEROSO e JESUS CRISTO se agradam demais dessa medida, afinal....

É uma busca de nós corrigirmos uma realidade trágica no Brasil, que foi a marginalização e a exclusão dos afrodescendentes por séculos..

Depois é só por 10 anos mesmo....

E conhecimento teórico não é tudo, vontade de trabalhar conta muito...Acredito que nisso os afrodescendentes são muito bom.. continuar lendo

Pela quantidade de post em relação ao tema, dá para se entender o porquê dessa Lei... IBOPE puro...... Meus filhos cresceram em meio a brancos e negros e nunca imaginaram existir diferenças.. Até agora pelo menos...A partir de agora, perceberão que existe diferença..
Cotas, legaliza o racismo............ ....e nesse caso prejudica os negros, pois, ou estou enganado, ou se negros e pardos optarem pela cota, restarão 80% das vagas para brancos... hummmmm continuar lendo

Isso já existe desde a abolição rapaz, porém de uma forma velada! Mire-se apenas nas propagandas, novelas, nas pessoas que ocupam os altos cargos, atendentes de shoppings centers, em contraste com os moradores de aglomerados, seguranças e faxineiros. Só não percebe realmente quem está alienado! continuar lendo

Quem tem um mínimo de visão intrapessoal verá que uma Força infinitamente consciente está impregnada em todos os reinos, mineral vegetal e animal e Humano e que esta força exige de cada um dos humanos esforço subjetivo para o aperfeiçoamento da própria raça humana. No ocidente, Esta força tem uma maior incidência no continente europeu (Culturas mais objetivas) e no oriente, na china e Índia (culturas mais subjetivas) , uma regula a outra é o peso e o contrapeso. Infelizmente dentre destes dois planos, existem culturas que são estáticas, ainda não sairão do plano da preguiça intelectual para entrar no material e espiritual e entre os casos está a maioria das culturas africanas e como também muitas culturas orientais. Quem assistiu a Filme Apocalipytho, de Mel Gibson entenderam porque MUITAS CULTURAS (os africanos, os maias, os incas e os índios e tantas outras) precisaram de UM IMPULSO cultural ou choque cultural para saírem desse marasmo, o capitalismo é apenas uma das ferramentas que ESTA FORÇA INFINITA E CONSCIENTE precisa para executar sua vontade, mas dirão: "isto é desumano, pois morreram muitas vidas, fizeram muitos escravos e etc, mas para quem entende o que é eternidade dentro de um plano espiritual entenderá que a morte também é uma das ferramenta desta FORÇA INFINITAMENTE CONSCIENTE, mesmo porque não existe nem vida e nem morte, tudo são apenas dimensões que esta FORÇA CONSCIENTE criou para que este plano seja executado.
Existe apenas o Ser se desdobrando no tempo e no espaço.
Tudo é necessário, para chegarmos ao"EIS O HOMEM".
"Um dia a morte será vencida" assim nos falou o APOSTOLO PAULO
Um certo homem comum, há 2000 anos, já nos provou que não existe morte. continuar lendo

Não vai demorar muito eles vão aprovar cotas aos filiados do Partido soberano. Isso é Brasil. continuar lendo

"Tapando o sol com a peneira"! Esta é a definição mais acertada para este "besteirol à lá braZileira". E onde fica, senhores "puliticus", a competência, conhecimento e capacidade dos que não se "enquadrarem na outra"casta"?
Ora, ora, que"puliticus" são esses que não lançam seus olhares para o futuro???? continuar lendo

Mais uma vez se prova que o racismo existe forte no Brasil,visto que ate nas esferas que não deveria ter existe,concurso público,ou concurso de raças,de cor,ai estar a vergonha do legislativo,a vergonha de um povo que luta para combater o preconceitos e o racismo e que diz lutar por igualdade racial,ai estar o contraditório de tudo isso...não precisamos de cotas precisamos de respeito,precisamos ser olhados de igual pra igual,mais o que eu fico mais triste é que esse órgãos que luta contra o racismo e que diz busca a igualdade sobre negros e brancos comemoram uma ação tão esdrúxula...Brasil das mil caras e de poucas ações...eu gostaria de saber o que passa na cabeça de uma pessoa ao chegar em seu trabalho e o seu colega li cumprimenta por ter passado no concurso!!! ele deve pensar o seguinte: "eu não passei,eu vim pra ca por causa das cotas,eu estou qui não porque sei, mais por força de lei...agora pense no que pode estar pensando os seus colegas e patrão... Não eu não quero isso pra mim,eu não quero isso pra meus filhos...o que eu quero é o meu real valor garantido por lei e não essas leis racistas preconceituosas que os nossos legisladores insistem em fazer dizendo estar garantindo um direito constitucional, tudo mentira,o que se estar fazendo na realidade é deixando o negro mais vulnerável a crimes de racismo e tirando a cidadania e o respeito ainda pouco conquistado...como piadas no seu local de trabalho,ou ate mesmo ser humilhado por pessoas estranha dizendo que eles só estão ali por causa das cotas e não por capacidade...e o pior de tudo é que isso não se estendi para quem fez cota não, isso é generalizado independente se fez ou não fez ...e mais uma vez nós somos julgados pela cor da pelé e não pela capacidade...eita Brasil, quando vais perder o teu sangue de coronel e de barões... quando foi que o Brasil deixou de ser escravista? agora quem é branco neste Pais? só existe vinte por cento de negros neste BRASIL DE CABOCLO, DE MÃE PRETA E PAI JOÂO,todos os demais, 80% são brancos? continuar lendo

Independentemente do juízo de valor que se possa fazer a destinação de quotas para negros é absolutamente inconstitucional por ferir de morte o princípio da isonomia. Qual é o parâmetro legal para definição da negritude? Há no direito outro principio constitucional segundo o qual é preciso “tratar os desiguais com desigualdade, na medida de sua desigualdade, para que se tornem iguais”. A adoção de quotas para deficientes físicos se justifica, pois suas limitações impõem uma política de desigualdade no tratamento para que haja equilíbrio na relação com os demais que não tem limitações. Mas quais seriam as limitações dos negros em relação aos “brancos”? Se meu pai é negro e minha mãe sueca, tenho 50% de cada raça. Então, sou negro ou branco? Se não há lei que defina o que é ser negro ou quem é e quem não é negro, sugiro que todos os participantes de concursos públicos, mesmo os loiros de olhos azuis, que se declarem negros, se isso lhe for mais conveniente e vantajoso. continuar lendo

APENAS UMA PERGUNTA:
O Digníssimo MINISTRO Dr. Joaquim Barbosa, hoje Presidente do STF, por acaso precisou fazer uso de quotas.?
Lutou, chegou ao ápice, e hoje é elogiado.
Porque os demais nao seguem o exemplo ? continuar lendo

Diga aí Nilson Matias, uma forma de reparar o dano sofrido pelos negros? Vc ficou sabendo que acaba de ser criada a pec 78 onde se tenta reparar o dando causado aos soldados da borracha da segunda guerra mundial. Vc é contra essa reparação também? Vc é contra as cotas para deficientes também? Vc é contra as cotas para as mulheres na eleição também? Vc é contra as cotas para os idosos no programa mina casa minha vida também? Vc é contra as vagas de deficientes e idosos nos estacionamentos também? continuar lendo

Marcelo Pinto, mesmo que fossem por somente dez anos, já seria um grande erro, contudo se daqui a dez anos tivermos políticos decentes e verdadeiros patriotas, que não sedam a tentação do voto fácil, o incompetente beneficiado por cota, permanecerá prejudicando o país e envergonhando o serviço público por outros 30 anos antes de se aposentar, portanto o povo pagará para ser atendido com ineficiência por quarenta anos inteiros, muitos de nós não viverá para ver o fim desta vergonha. continuar lendo

Você fez um discurso em pouca palavras, estamos cada vez mais reféns de bagatelas politicas que buscam acima de tudo votos, hoje no Brasil de acordo com o próprio IBGE temos mais de 200 etnias, isso mesmo, 200 etnias, será que vão criar percentuais de quotas para cada uma delas, se isso ocorrer nós "sem etnia" é que precisaremos levantar uma bandeira e pedir quotas para qualquer coisa. Sou Branco, filho de pais Brancos de Avós Mulatos que são descendentes de Escravos Negros e por outro lado de origem Portuguesa (Européia), Onde será que eu me encaixo? Acho que na quota do liquidificador racial. continuar lendo

Concordo que infelizmente haja necessidade de um programa de cotas, porém NUNCA por motivo étnico.
Que haja cotas em universidades públicas, para pessoas oriundas das classes econômicas humildes, é mais do que válido, visto que para se ter uma educação decente nesse país, muitas vezes precisamos lançar mãos de instituições privadas, logo, o estudante pobre que não tem essa oportunidade, fica sim, prejudicado ao tentar uma faculdade pública. Lembrando que na faculdade pública a maioria é egressa de colégios particulares.
Não concordo em limitar essa cotas para negros/índios, acho mais correto exigir comprovantes de situação de pobreza, estaria sendo justo com todos os integrantes dessa classe.
Isso na área do estudo, agora em concursos públicos NÃO!
Uma vez que você se candidata a um concurso público, devem ser observados os fatores relevantes ao cargo que ocupará e a sua etnia não deve entrar nessa lista.
Uma vez que a pessoa completou os estudos, ela é mais do que habilitada, seja branca, negra, índia ou o que for, a concorrer com todos. Vencerá aquele que pontuar mais.
Quem passa em concurso público, no momento de assumir o cargo deve comprovar apenas que está apto, por meio de certificados e documentação previamente listadas em edital. Logo, tanto faz quanto tanto fez a aparência da pessoa, é um direito conquistado por ela, pelo esforço dela, ou pela sorte se assim quiserem argumentar.
Esse regime de cotas para concursos públicos é, ao meu ver, humilhante e injusto e concordo com o Wellington Braga, é pura medida eleitoral. continuar lendo

Não sei até que ponto isto é bom, vejo como uma violação estampada de principio constitucional e colaboração direta com o racismo. continuar lendo

Eu já havia comentado em posts anteriores, mas mesmo assim fica aqui registrado minha indignação.

Sou descendente de negros e de índio e não concordo com isso de cota, se for fazer cotas que seja cota para pessoas da classe baixa, pessoas que estudaram a vida toda em colégio público, querendo ou não estes sim hoje são discriminados na educação, é só olhar a disparidade do ensino.

Sei que podem julgar errado, mas para mim cota por raça é a própria pessoa assinar um atestado de burrice, pois não se considera capaz de concorrer com pessoas de outras raças. continuar lendo

Além disso, a Ciência já derrubou o conceito de diferentes raças. Só existe uma raça: a humana. continuar lendo

Concordo com você Ricardo Augusto. Cotas não ajudam a diminuir a discriminação nem os problemas raciais existentes, pelo contrário, só aumentam e isso é muito triste. Sou muito mais a favor para alunos de classe baixa que independentes de negros ou brancos, possuem mais dificuldade para conseguir entrar numa boa universidade e num bom concurso. Sem contar que a avaliação para definir se a pessoa é negra ou não é muito subjetiva, passei por isso no vestibular, onde muitos brancos, somente por possuírem alguma "característica" de negro, como nariz mais largo ou cabelo mais crespo, conseguiram fazer o vestibular como negros. Enfim, muito triste ver o que o Governo anda fazendo com o poder que detém. Só merda, putaquepariu! continuar lendo

Prezado Ricardo me enquadro na mesma situação que você, descendente de índios na maioria e negros, acho total absurdo essa "proteção" que o Estado brasileiro vem impondo goela abaixo práticas que só fomentam e acirram o racismo, e desmerecem aqueles que tem capacidade, bem como os afrodescendentes e indiígenas considerando-os incapazes continuar lendo

Rivcardo não concorde não use, deixe para os demais afrodecendentes utilizarem. continuar lendo

Incrível os comentários aqui no Jus já foram bem melhor embasados. O contexto histórico que sustenta a lei é bastante coerente, sabemos que o Brasil tem problemas relacionados a questão "coloral" pois muitos se sentem ofendidos com a palavra "racial" Usamos a exceção para justificar a disparidade, por exemplo, 2,7% dos médicos no Brasil são negros, Graças a política de cotas por que antes esse número era ainda menor, ficou claro com as cotas raciais que o problema é realmente o acesso, na media os alunos cotistas tem desempenho superior e taxa de evasão menor do que os alunos que entraram por vias convencionais... Fica claro que o sistema de vestibular não seleciona os melhores nem os mais esforçados, seleciona apenas aqueles que tiveram condição para se preparar para uma prova que não faz o menor sentido de existir, que serve apenas para excluir do ensino superior uma parcela da população (a parcela negra e pobre sem esta parcela faltariam estivadores e domesticas). As cotas não vão acabar com o racismo isso é certo, mas prefiro sofrer racismo e ter acesso a educação e a cargos do que sofrer racismo carregando caixas por que acharam que não tive acesso a educação superior ou cargos públicos por conta dos métodos injustos de acesso.

http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2013/04/1269984-cotistas-tem-desempenho-inferior-entre-universitarios.shtml continuar lendo

Cotas jamais beneficiam a um grupo social, beneficiam unicamente ao incompetente, ao mandrião que se nega a estudar ou a se dedicar a um objetivo, que por um acaso pertence àquele grupo.
Ao contrário, como não será possível distinguir o cotista daquele que obteve a oportunidade por méritos, todos do grupo serão julgados como oportunistas desavergonhados, e assim serão tratados. continuar lendo

Sr. Reinaldo Schumann e o seu velho preconceito... continuar lendo

Sinceramente, não concordo com este tipo de cota. Na atual legislação, já existem as cotas das universidades, que proporcionam aos estudantes declarados negros a chance de uma melhor formação. Assim, ao estudarem em Universidades públicas, os alunos declarados negros, em tese, possuem a mesma formação que qualquer outro estudante, ou seja, possuem o mesmo nível, razão pela qual, no caso específico das cotas para concursos, entendo existir vantagem injustificada, pois, em tese, o nível intelectual seria o mesmo dos demais estudantes. Apenas para deixar claro, que no tocante às cotas para o ingresso nas universidades, não tenho qualquer restrição, bem como, em outras políticas públicas de inclusão social. Apenas como exemplo, temos um Ministro do STF negro, que conquistou o seu espaço sem qualquer privilégio, e ainda, no bojo do judiciário brasileiro, temos inúmeros casos análogos. continuar lendo

Uma pena que as coisas hoje em dia seja apenas de cunho eleitoreiro, você tem toda a razão em seu comentário, faço da sua as minhas palavras, parabéns por sua opinião lúcida. continuar lendo

Na prática, há poucos negros nas Universidades e no STF.

Exceto o Barbosa, quantos Ministros negros temos no Supremo? Nenhum. O Barbosa não é a regra, Abrãao. Ele é um exemplo de superação E uma exceção. continuar lendo

Ok, Thiago, então vamos obrigar os negros a estudar direito, tornarem-se juristas de notória especialização e excelência, galgarem os mais altos cargos dentro do Poder Judiciário e se tornarem Ministros do STF, só para que o número de negros no STF seja igual ao números de brancos. Depois teremos que fazer o mesmo com os de origem oriental (amarelos), indígenas (vermelhos), mulheres, gays, etc, etc. O nome disso é LOUCURA, demência, aquela mesma da "revolução" Francesa, lembra? Isso é o verdadeiro preconceito sendo institucionalizado. Se eu fosse negro, me sentiria ofendido com essa verdadeira discriminação e inferiorização da minha raça, estabelecendo cotas mínimas como se seu não fosse capaz de alcançar meus objetivos. Joaquim Barbosa é exceção? Poe eu conheço muitos negros absolutamente brilhantes em sua atuação, inclusive no direito. Essa política não é nossa. É "alienígena" e tem objetivos pra lá de duvidosos. continuar lendo

Não vejo um Ministro negro como qualquer demonstração de igualdade haja vista que são escolhidos pelo presidente e não concursados. continuar lendo

Tem razão Camila Muniz, sobretudo porque antes de o presidente Lula nomear o Ministro Barbosa ele declarou que desejava ter um ministro negro no STF.
Pra mim isso soa como cotas.
=) continuar lendo

, já que vc é a favor da cota. E concorda que uma pessoa entre em uma instituição pública sem merecimento, apenas pela sua cor, coloque isso em prática e seja coerente com o que falas. Contrate seus funcionário pela cor e deixe de fora aquele profissional brilhante, porém branco, pois vc é a favor da cota. E sim, não esqueça de quando contratar sua empregada domestica, seu jardineiro e a baba de sues filhos, nem pergunte quem tem experiência, contrate apenas pela cor para fazer valer sua opinião. continuar lendo

@Adalberto e Patrícia.

Eu podia debater a questão com muito silogismo, gritaria, acusações de políticas, dados históricos, etc. Mas vou responder com um só dado para me manter na questão:

"No universo de 54 universidades públicas que nos últimos oito anos adotaram o sistema de cotas no País, em ao menos quatro, distribuídas pelos principais Estados, alunos negros apresentam desempenho próximo, similar ou até melhor em relação aos não-cotistas. Resultados iniciais do aproveitamento de cotistas na Unicamp, Universidade Federal da Bahia (UFBa), Universidade de Brasília (UnB) e Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), divulgados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), derrubam mito de que, graças à ação afirmativa, alunos negros estariam" entrando pela janela "das instituições superiores da rede pública. As notas lhes abriram o caminho da porta da frente."

Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Logo, o argumento que cotistas são inferiores e que "estamos contratando alguém inferior quando podíamos contratar um superior!" caí. Os outros 80% não-cotistas tem notas superiores aos 20% cotistas.

"Ah, mas se eles tem desempenho similar, próximo ou superior, eles não precisam de cotas! Abaixo as cotas!"

Eles tem desempenho similar, próximo ou superior, porque tem acesso ao MESMO nível de educação que seus colegas não-cotistas tem. Novamente batendo a tecla do abismo entre ensino médio público x particular x público federal (superior aos dois anteriores em números).

Desempenho =/= Ingresso. Ok, senhores? Então sem histeria, por favor. A verdade é que a proporção de pessoas que ingressam nos concursos públicos investem PESADO em material e cursinhos e grande parte da população pobre (75% constituídos de negros e pardos, segundo IBGE) não tem condições de fazer o mesmo investimento para concorrer de igual para igual na disputa de cargos. continuar lendo

Thiago, quando o cotista tem desempenho semelhante aos demais alunos em uma universidade, significa que a maçã podre, já conseguiu apodrecer todo o cesto e que desta turma nada de bom sairá, todo o investimento feito até ai estará perdido e para sempre.
Indique-me um único motivo lógico e razoável para que alguém incapaz de sequer se classificar para um cargo ou vaga, possa ter desempenho a alguém que reuniu méritos para tal. Dou-lhe eu o primeiro, desmotivar aos demais a ponto de se igualarem. Você, com certeza será capaz de citar vários outros. continuar lendo

Sem querer bancar o Advogado do Diabo aqui, mas gostaria de expressar alguns pontos sobre a questão.

"Pela proposta aprovada, terão direito a disputar as vagas reservadas os candidatos que se autodeclararem pretos ou PARDOS no ato da inscrição do concurso."

Primeiro que, pardo é o termo eufemista para não falar "mestiço", em pardo incluem-se cablocos (europeu + indígena), cafuzos (indígena + africano) e mulatos (europeu + africano). E aí? Verdade seja dita, é muito difícil na população brasileira determinar seus ancestrais sem que haja algum vestígio de mestiço, porém devemos recordar que sua etnia é algo auto-declarada.

Percebe-se também um certo pavor de associar-se a uma descedência africana/índigena, verdade seja dita, frequentemente, é mais difícil traçar uma linha de ancestrais dessas etnias, seja por falta de registros, desconhecimento ou vergonha e visível uma certa preferência pela descendência "européia", seja ela materna ou paterna. Parte da culpa recaí desde o período Imperial, que teve uma forte pressão para "enbranquecer" a população brasileira durante o período da imigração européia.

Segundo ponto, esse mais histórico, é que a Escravidão no Brasil terminou oficialmente em 1888. Ou seja, faz 126 anos. Parece muito tempo, quando na verdade não é! A escravidão no Brasil existe desde o descobrimento, com os Índios em 1500. Temos um estrago de um sistema escravista que permaneceu por 388 anos, além disso, as pessoas que assumiram o Brasil após a proclamação da República (A República Velha), são os latifundiários, que permanecem no poder até o fim do Café com Leite (1929). Durante 1888 - 1929 houveram Pouquíssimos avanços na desigualdade social entre brancos e as outras duas etnias.

Vamos pegar agora dados atuais:

Os 40% mais pobres da população brasileira eram responsáveis por 13,3% da renda total do país, enquanto os 10% mais ricos tinham 41,9% em 2012. (IBGE)

E o mesmo IBGE afirma:

"Em 2002, nos 10% mais pobres da população, 71,5% eram pretos e pardos e 27,9% eram brancos, enquanto o 1% mais rico era composto de 87,7% de brancos e 10,7% de pardos. Em 2012, a proporção passou para 75,6% de negros e 23,5% de brancos entre os 10% com menores rendimentos e para 81,6% de brancos e 16,2% de pretos e pardo no 1% da população com as maiores rendas."

Se fosse, pessoalmente, para optar entre"pobreza"e"etnia"como fator mais efetivo para as cotas, eu seria a favor da pobreza, usando a mesma lógica do Bolsa Família, incluso aqui o seu alto rigor de avaliação. Entretanto, afirmar que não haverá justiça alguma em cotas raciais, na minha opinião também, é falacioso.

Por último, uma crítica pessoal.

Haverá sim justiça nas cotas. Não é uma ofensa intelectual ao negro, principalmente. Há pouquíssimos deles exercendo cargos públicos de alto nível ou em universidades federais. Você enxerga isso facilmente na sua cidade. Ninguém prega esse igualitarismo que tem no setor público federal nas escolas públicas ou hospitais públicos. Quem tem dinheiro, paga hospitais e escolas particulares, mas na hora de serviço público e universidade pública, todo mundo é "Brasileiro é um povo feliz, alegre e misturado, onde todo mundo dá as mãos, não existe preconceito de raça, logo não é necessário cotas. Cotas é racismo."

Isso me cheira a hipocrisia. E para quem me falar que o que é necessário é "Mudanças estruturais profundas na educação, não cotas" Mudanças estruturais na educação são coisas lentas demais para acompanhar a sociedade sem sacrifício de gerações (Pesquise o que foi isso na Coréia do Sul, por exemplo), tão lentas quanto o desaparecimento das mazelas de várias gerações de escravos e do preconceito. Existem muitos outros fatores, como o envelhecimento x a taxa de natalidade x riqueza do cidadão classe média, mas não vou me prolongar mais.

Falo aqui como um descendente de alemães, mas também filho de uma mãe negra, que não conhece a linhagem materna. continuar lendo

Gostei do comentário. É sempre bom alguém mostrar o outro lado da moeda! continuar lendo

seu comentário foi bem elaborado e inteligente. mas o que gostaria de saber é o seguinte: como basta a pessoa se autodeclarar, pode acontecer de muitas pessoas se considerarem negras ou pardas, bastando. entao: assim todos vao se autodeclarar. continuar lendo

Entendi seu ponto. Mas mesmo você mesmo dizendo que a mudança estrutural na educação pode ser lenta e etc, não seria melhor que começasse de uma vez e que com o tempo não precisássemos mais de cotas e etc? Porque mesmo levando anos, se não houver alguém que peite e faça isso, o Brasil não vai mudar e a questão de cotas também não..ou seja, ou mudamos, mesmo que lentamente e melhoramos de vez as desiguadades raciais e sociais de anos ou então estas não vão dimiunuir nunca. continuar lendo

Digno. Muito digno.

Resposta genial. Não é que isso aí vai funcionar na prática. Tem que ter muita fiscalização, mas a intensão é muito válida.

O que sempre digo é que nenhum negro deveria ser intelectualmente privilegiado tendo em vista, antes de tudo, ele ser humano. Mas como está nas pesquisas que a maioria da população pobre é negra, com certeza, um membro desse grupo não terá como competir intelectualmente com aquele que cresceu e nasceu em condições de vida melhores.

"Ah, tem fulano e ciclano que é preto e tá aí, no topo." EXCEÇÃO. Não podemos exigir que todos os pretos e pobres sejam heróis. Se você não exige que um branco e rico seja herói, porque os outros deverão sê-lo?

Ana Maria Alcantara, me desculpa a intromissão, mas gostaria de responder sua pergunta. Se todos se declarassem pretos ou pardos para concorrer nos 20%, que tolice, os outros 80% estaria sem concorrência alguma.

Como o Thiago, falo aqui como uma nordestina de sangue e de solo, neta de pretos e brancos e não, não vou concorrer nos 20% porque sei que tive muito mais oportunidades que tantos outros e concorrer com eles seria desleal, mais que isso, injusto! continuar lendo

Já fui agente federal trabalhando no Setor de passaportes da Polícia Federal em Foz do Iguaçu. Certa vez, atendi uma criança de 5 anos de idade, branca, loira de cabelos lisos e de olhos azuis turqueza, sem qualquer traço de mestiça. A pessoa que estava com ela era totalmente negra e era sua genitora. Nunca havia visto algo assim na vida. Cerca de 5 minutos depois chega o pai. Um suiço de quase dois metros, branco da cor de leite e de olhos azuis iguais ao da filha. Sua filha puxou totalmente os seus traços.
Como alegar uma pessoa, loira, branca e de olhos azuis que é filho de negro, sem quaisquer traços da genitora pode ser considerada negra ou mestiça para fins legais? Citei este exemplo para meditarmos ... continuar lendo

Thiago Marino, sem dúvida nenhuma esta foi a melhor defesa que vi até agora ! Parabéns ! Me convenceu ! continuar lendo

Bom comentário. Esquecemos que escravidão não foi ideológica, foi realidade. continuar lendo

ótimo comentário! A escravidão não foi ideológica, mas real. continuar lendo

@Isabella Carvalho.

Mudanças estruturais de educação. O que exatamente é? Não é apenas aumentar o salário dos professores ou melhor as condições da sala de aula. Com exceção dos professores de universidades federais e das escolas de nível médio federal (Que são as escolas públicas mais bem colocadas, até mais do que as particulares) que ganham bem, os professores de ensino médio e fundamental precisam ter muitos mais alunos para equiparar seus salários com os de ensino superior. Mas é tudo uma questão de dinheiro? Não. A Educação é uma das maiores pastas do Brasil:

(Em bilhões de reais)
Previdência Social - 239,94
Saúde-59,66
Defesa-52,11
Trabalho-42,04
Educação-40,68

Propostas como o aumento no orçamento da Pasta para 10% do PIB não me soam muito funcionais. Soam apenas como mais um rio de dinheiro que vai sumir para algum lugar. Não adianta ter dinheiro e não saber-se com o que está sendo utilizado. Mas meu ponto principal é: Educação Estrutural exige um tripé de: Sociedade (fiscal), Governo (controle),Professores (execução)

A Sociedade é fácil e ao mesmo tempo cruel de criticar. Não é possível exigir que a maioria da população tenha conhecimento sobre a situação educacional brasileira, mas é ela que deve fiscalizar o desempenho do aluno, não apenas jogá-lo sob responsabilidade dos outros dois.

O professor também tem seus problemas. A sua carreira não é boa e ao mesmo tempo, são os piores em desempenho. Em outros países, ser professor é algo digno mas também MUITO COBRADO. Para ser professor você tem que ser o MELHOR! Mas o que acontece na sala de aula, mesmo uma particular e sem problemas internos, é de aluno que entorta os professores e muitos estão despreparados para função. Resultado. No ENEM os piores colocados no ranking geral são os farão cursos relacionados a licenciatura, porque não tem outra opção. Desde o começo se cria a ideia que "professor passa fome." "só estou nisso porque não tenho mais o que fazer."

O Governo na parte de EDUCAÇÃO, não se pode dizer que estão com falta de dinheiro. O Governo investe muito, muito mesmo em educação. Mas quando eu digo "investe", refiro-me a despejar dinheiro, na maioria dos casos é construir escolas, comprar equipamentos, contratar pessoal, etc. Mas tem coisas a nível nacional que são problemáticas: Qualidade das Escolas rurais/interior x capitais, violência dentro da escola, o aluno ser aprovado mesmo com tendo falhado nas avaliações avança porque é considerado um gasto, falta de avaliações criteriosas de PROFESSORES e ganho por MÉRITO, não por cabeça, exigência de nível superior e por não indicação ao cargo de diretor e concursos públicos para compor o corpo administrativo. Ou seja, problemas específicos, uma agenda da educação que falta, não apenas gritos de aumento de orçamento.

A existência de cotas não vai anular esses problemas. É o famoso paliativo. Não reformula a estrutura, mas não pode ser considerado inválida.

@Cláudio

A descrição bate muito bem em alguns traços da minha irmã, por exemplo. Isso acontece por causa da genética. É quase impossível que uma criança tenha olhos claros se a mãe tem traços negros totalmente dominantes. Certas características (cor dos olhos, cabelo, pelé, etc.) não derivam apenas dos pais! Muito provavelmente, a senhora que o senhor atendeu possuí um avô/avó ou bisavós que possuem origem europeia. Lembrando que para uma criança ter características, é uma combinação dos genes dos pais, e que essas características são combinadas uma a uma. Sempre herdaremos algo de um dos lados. Minha irmã não tem os olhos verdes do meu pai, mas puxou mais a ele o tom de pelé e os cabelos lisos.

Mas, especulando, supondo que a mãe tenha de fato um parente branco:

aa (Pai) x Aa (Mãe)

Aa - aa - Aa - aa

Avós da Mãe:

Aa (?) x Aa (?)

AA x Aa x Aa x aa

Ou seja, havia 50% de chances da criança nascer com olhos claros. Isso não vem dos olhos da mãe, mas dos genes herdados dos avós, ou quem sabe dos bisavós, mas isso recaí no campo da especulação, novamente. Biologia também não é a minha área, então perdoe se eu estiver enganado. continuar lendo

@Thiago Marino
Não há necessidade alguma de se delongar no assunto, afinal suas palavras foram incisivas e objetivas, defendendo o ponto de vista aqui pouco explorado anteriormente de modo formidável.

Apenas para esclarecer o assunto, aqueles que discordam com mais indignação, provavelmente, devem possuir interesse direto, portanto a falácia pode predominar nesses casos. continuar lendo

A prova de que o preconceito racial existe é a reação dos que são contra as cotas.

Ou estes não conhecem a história do país
ou não consideram os negros merecedores de reparação, pois concordam com a exploração de quase quatro séculos contra eles.

Nem todas as cotas do mundo seriam capazes de reparar toda a exclusão a que os afro-descendentes sofreram ao longo de séculos no Brasil, mas a iniciativa é boa.
E as cotas sempre existiram!!!
Os negros sempre tiveram sua cotas definidas para os trabalhos pesados e braçais.
Questionem-se e reflitam: porque uma tentativa mínima de reparação histórica a favor dos negros incomoda tanto???
O Brasil tem tentado reparar as injustiças contra as mulheres, isto também incomoda?
O Brasil tem tentado reparar as injustiças contra os portadores de deficiência, isto também incomoda?

"Sim, nos incomoda profundamente quando o assunto é o negro, pois aprendemos que ao contrário dos índios, das mulheres e dos portadores de deficiência eles não merecem reparação porque são menos seres humanos..."
Cuidado pessoal, o preconceito racial está tão arraigado em nós que sequer o percebemos. continuar lendo

Loguei pela primeira vez neste site só para curtir seu comentário. Parabéns! continuar lendo

Thiago Marino estas cotas muito embora seja um embuste de políticos incompetentes e nada patrióticos conseguirem votos, tem o efeito colateral de tirar o pão de quem tem méritos e lutou para consegui-lo e entregar a quem nada fez por merecê-lo. Esta é a verdade e somente assim deve ser encarada. continuar lendo

A questão é realmente preocupante. Estamos mesmo sendo alvo de um processo de imbecilização social. A minha preocupação não é encontrar servidores públicos despreparados e ignorantes porque isso sempre existiu. Meu pesadelo é decadência da cultura e da educação no Brasil, o que aumentará o grau de controle das mentes, tornando os cidadãos incapazes de resistirem à inversão de valores deflagrada pela esquerda.

Convivi durante 5 anos com pessoas de todos os matizes durante a graduação numa universidade privada e vi a dificuldade dos professores diante da incapacidade dos alunos para interpretar os textos trabalhados, sendo vexatório o resultado da transmissão escrita de suas ideias.

A primeira avaliação eliminou quase 50% da turma e levou outro tanto a desistir do curso. Era constrangedor ver acadêmicos de Direito perguntando qual era a resposta certa e copiando até as piadas dos professores. E essa incapacidade não tinha cor.

Jovens estão chegando ao 5º ano do Ensino Fundamental sem saber ler e escrever. Os egressos do Ensino Médio dependem de livros didáticos e resumos porque não conseguem interpretar fontes originais e artigos científicos de qualidade, sendo a grande maioria incapaz de fazer uma leitura crítica. Isso tem resultado num exército de idiotas úteis, que se limitam a reproduzir discursos e chavões veiculados na mídia e redes sociais, sem se dar conta do futuro político que os espera.

O cerne do discurso justificador de Thiago Marino é a pressa, o que é plenamente compreensível. O grupo Titãs é autor do título "O mais fácil é o certo", mas quem responde por seus atos sabe que a regra tem exceção. O atalho é também o descaminho de um país que segue ao vento de paixões segregantes. Tudo é feito sem planejamento e sem qualidade. Lembra do Ultraje a Rigor em "A Gente Somos Inúteis" ? Talvez os negros autodeclarados de hoje, sub-rogados no direito de reparação de um dano ancestral, consigam realizar o sonho de obter um diploma e ocupar certos cargos. Não se cogita, porém, do resultado dessa seleção privilegiada.

Estamos convictos de que no Brasil, onde a natureza é favorável e o povo bastante servil (desculpem a rima), a raiz de todos os males é a falta de educação, restando o amor ao dinheiro (corrupção) como consequência.

A defesa das cotas é justificável, mas nem por isso deixa de ser imediatista, racista e irracional. Mais que ratificar o tratamento indigno dedicado aos desfavorecidos, esse atalho acaba atendendo às táticas clientelistas da governança vermelha e nada revolucionária. Relembrando a máxima eternizada por Giuseppe Tomasi di Lampedusa em O Leopardo: “Se queremos que tudo fique como está, é preciso que tudo mude“. Se antes a vontade do grupo dominante (militares) era imposta pela força física, agora se isto se faz pela manipulação das ideias e das necessidades, mediante ações de desinformação e da mais grosseira e escancarada compra votos e de apoio de mandatários venais. Para os intelectuais orgânicos (Gramsci) isso é democracia plena.

Na minha parca opinião, continuamos sendo baterias cultivadas com o mínimo existencial (segundo a alegoria do filme Matrix). Nossa energia vital e destinada ao sustento de uma democracia formal, juridicamente declarada com o fim de justificar esse regime de desigualdade e exploração entre seres primordialmente semelhantes. A história prova que o socialismo é uma utopia. Os líderes são desonestos, o povo mergulha na miséria e violência enquanto os ex-operários e guerrilheiros (os pais do povo) ficam milionários.

As classes historicamente prejudicadas, agora são enganadas. Seus ativistas, movidos por sentimentos facciosos e revanchistas, não se dão conta da utilidade que prestam ao atual regime, o qual é exercitado na manipulação da informação e das necessidades.

Em um país cujos governantes descumprem as leis e as sentenças sistematicamente, ainda persiste a crença de que a solução de todos os problemas está na proliferação das leis, ao ponto de haver proposta de emenda à constituição para incluir o direito à felicidade. Não se transforma a realidade social com canetadas. Exemplo disso foi o processo de abolição da escravatura. Recentemente uma australiana, após ser flagrada cometendo crime de racismo na capital do país, disse às vítimas, em rede nacional, que não ficaria presa. E assim foi.

A finalidade do concurso público é selecionar os mais preparados. A preterição destes pelo sistema de cotas não atinge a causa da desigualdade social e da discriminação. Prometer sanar as mazelas do Brasil apenas com bolsas e cotas é semelhante a querer curar um câncer terminal aplicando Merthiolate nas feridas que ele causa. Ao contrário, esse paliativo põe em risco a qualidade das instituições e, com isso, poderá criar fatos desencadeadores de sérios conflitos raciais e de mais preconceito.

Comunista adora uma luta de classes. Então é hora de incentivar a divisão e semear o ódio entre brasileiros. Nunca vi tantas facções e ativistas. Nem o PT resistiu.

Aurélio Buarque de Holanda Ferreira dá ao verbete "digno" o significado de "merecedor; apropriado; adequado; que tem, ou em que há dignidade". Minha e esposa e filho são afrodescendentes. Creio que sou mestiço. Sendo de origem humilde, tudo o que conquistamos foi com esforço e dedicação, fruto da educação que recebemos de nossos familiares e mestres. Povo educado é povo vitorioso. Povo vitorioso é povo digno. continuar lendo

@ Daniela Rodrigues eu não aceito a sua afirmação de que quem é contra cota é por que tem preconceito racial.

Eu não aceito, apenas, que numa disputa por emprego, a nossa aparência, a nossa etnia, seja pontuada. EM HIPÓTESE ALGUMA.

Em concurso público, não se pode fazer qualquer tipo de segregação ou favoritismo. Você conquista o lugar pela sua pontuação, pelo que acertou. Todos aqueles que conseguiram a mesma formação que você, cotistas ou não, estarão no mesmo barco que o seu. Valerá o desempenho de cada um, como deve ser.

Num concurso público, se dois classificados com a mesma pontuação, mesma idade, mesmo número de dependentes financeiros, empatam, a colocação é definida por sorteio (o justo), imagina então dizer que, nesse caso, A é melhor que B por que é preto/branco/vermelho/azul/lilás... ISSO É ABSURDO !!! É falta de respeito !!!

Acho mais do que justo o programa de cotas para universidades, mas para obter vantagem sobre os demais em INSCRIÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO, NÃO.

Que vença o melhor classificado sempre, independente de sua origem, aparência e cultura. continuar lendo