jusbrasil.com.br
19 de Março de 2019
    Adicione tópicos

    Interceptação telefônica: réus questionam anulação de provas

    COAD
    Publicado por COAD
    há 9 anos

    Acusado de importação ilegal e sonegação pede anulação de provas obtidas por interceptação telefônica

    O ministro Cezar Peluso é o relator do Habeas Corpus (HC 103236) em que A.M.S. um dos acusados de liderar suposto esquema que sonegou R$ 7 milhões em importações de carros (Ferraris, Porches, Lamborghinis e outros), motos e mercadorias de luxo pede anulação de provas obtidas por interceptação telefônica.

    Em 2008, a Polícia Federal prendeu 22 pessoas acusadas de fazer parte da quadrilha. A.M.S. responde a ação penal no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e alega que a única prova existente nos autos que demonstraria a suposta prática de crime são diálogos gravados por meio de interceptação telefônica. Sua defesa alega que os diálogos não podem ser usados como confissão de crime por se tratar de uma confissão às avessas e que não tem eficácia para indicar condenação.

    Cabe, ainda, destacar que o conteúdo dos diálogos revela apenas supostos desejos, intenções, ideias ou pensamentos dos interlocutores, razão pela qual jamais poderia funcionar como prova da prática de um crime por ofensa ao princípio da lesividade, destacou a defesa.

    Alega, portanto, abusividade da ação penal em curso por força da presença de provas ilícitas. Por isso, pede liminar para suspender a ação penal até o julgamento definitivo deste habeas corpus.

    No mérito, pede que seja considerada ilícita toda e qualquer prova de interceptação telefônica na qual o acusado apareça como um dos interlocutores.

    FONTE: STF

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)